Santos e ícones Católicos

Você está em: Santos e Ícones . História de Santos . São Vítor

Origens

Vítor, era apelidado de “o Mouro” porque era nascido na Mauritânia, de língua árabe, que fica no Norte da África. Vitor nasceu num lar cristão e recebeu fé sólida desde criança. Depois de adulto ingressou nas legiões romanas, tomando parte no exército do então imperador Maximiano. Progrediu na carreira militar e se tornou centurião, isto é, comandante de um destacamento de cem soldados.

Transferido para Milão

Aconteceu que o imperador Maximiano quis acabar com uma rebelião que estava acontecendo na Gália, hoje França. Para tanto, o imperador recrutou um enorme contingente de soldados das legiões que ficavam no Oriente e d as que ficavam no norte da África. O centurião Vitor deslocou-se para Milão, no norte da Itália.

Heroísmo cristão

O imperador, entretanto, exigia que os soldados oferecessem sacrifícios aos deuses romanos antes de partirem para as batalhas. Quem se recusasse, recebia como castigo a morte. Quando chegou a vez do centurião Vitor, este recusou. Não cultuou deuses pagãos e afirmou perante todo o destacamento sua fé no Deus único, Jesus Cristo. E as consequências vieram.

Prisão

Por causa de sua recusa, Vitor foi levado a um tribunal e passou por um interrogatório. Diante do juiz, confessou sua fé em Cristo e argumentou que isso não ia contra sua lealdade ao imperador. Assim, prometeu lealdade ao imperador no que diz respeito às ordens militares e laicas. Quanto à fé, reafirmou que não renegaria sua fé em Cristo. Por isso, ele foi preso e permaneceu por seis dias sem água nem comida. A cadeia onde São Vitor ficou preso fica ao lado da Porta Romana. Até os dias de hoje ela é conhecida como o “cárcere de São Vítor”.

Torturas e testemunho

Terminados os seus dias, o centurião Vítor foi cruelmente arrastado pelas ruas de Milão, sendo levado para o hipódromo do Circo, junto a onde é hoje a Porta Ticinense. Lá, foi interrogado novamente. Dessa vez, pelo próprio imperador. Vitor não renegou sua fé em Jesus Cristo. Então, por ordem do imperador, foi duramente flagelado. Porém, para a admiração de todos, manteve-se firme. De volta à prisão, os carrascos cobriram suas feridas com chumbo derretido. Mesmo assim, por milagre, saiu ileso do horrendo castigo.


Fuga e morte

Vítor recuperou-se extraordinariamente rápido e todos os que presenciaram ficaram espantados. Na primeira chance que teve, fugiu da prisão. Refugiou-se em uma estrebaria que ficava junto a um teatro. Hoje, neste local, encontra-se a Porta Vercelina. Por fim, foi descoberto. Levaram-no a uma floresta perto dali e o decapitaram. Aconteceu no dia 8 de maio do ano 303.

Corpo guardado por feras

A Tradição conta que o corpo de São Vitor ficou jogado, sem sepultura, durante uma semana. Ele foi achado por um bispo santo, chamado São Materno. Este encontrou o corpo de São Vitor intacto e sendo incrivelmente vigiado por dois animais ferozes. Quando o bispo chegou, as feras se foram. No mesmo local construída uma grande igreja dedicada a São Vitor. Depois, várias outras igrejas foram construídas em Milão dedicadas a São Vitor. Construíram também monumentos em sua homenagem. O mais significativo, porém, é o cárcere onde ele ficou preso.

Santo amado

São Vítor é um dos santos mais venerados, respeitados e amados pelos moradores de Milão. O fato de ele ter sido preso, torturado e martirizado ali, permanece vivo para o ovo. A maioria dos habitantes conhece a história do santo e sabe conta-la com todos os detalhes. O culto a São Vítor, o Mouro, se tornou famoso no mundo católico. Ele passou a ser invocado o padroeiro dos prisioneiros e exilados.

Oração a São Vitor

“Deus, nosso Pai, ouvi esta prece que a vós elevam todos os aflitos, prisioneiros e exilados: Eu sou o homem que conheceu a miséria sob a vara de seu furor. Ele me guiou e me fez andar na treva e não na luz; só contra mim está ele volvendo e revolvendo sua mão todo o dia. Consumiu minha carne e minha pele, despedaçou os meus ossos. Edificou contra mim e envolveu minha cabeça de tormento. Fez-me habitar nas trevas como os que estão mortos para sempre. Cercou-me com um muro, não posso sair; tornou pesadas minhas cadeias. Por mais que eu grite por socorro ele abafa minha oração. Murou meus caminhos com pedras lavradas, obstruiu minhas veredas … Os favores do Senhor não terminaram, suas compaixões não se esgotam; elas se renovam todas as manhãs, grande é a sua felicidade!” (Lamentações 3,1ss).

Veja alguns produtos de Outros Santos