Santos e ícones Católicos

Você está em: Santos e Ícones . História de Santos . Santa Eudóxia

Uma mulher Samaritana

O nascimento de Eudóxia ocorreu na região chamada Samaria, na Palestina por volta do ano 50 da era cristã. A região da Samaria, Como se sabe, era pagã e odiada pelos judeus. O Evangelho diz que uma aldeia samaritana recusou-se a receber Jesus ao saber que ele era judeu e estava indo para Jerusalém. Foi também na Samaria onde ocorreu o maravilhoso encontro de Jesus com a mulher samaritana que o recebeu e se converteu. Eudoxia, talvez, levasse a força dessa passagem bíblica em seu inconsciente, acontecida poucos anos antes de seu nascimento. Ela certamente deve ter ouvido falar de Jesus Cristo.

História

Ainda menina, porém, a família de Eudóxia mudou-se para a cidade de Heliópolis, que ficava na Fenícia, onde hoje é o Líbano. Lá, ela se transformou numa jovem de grande beleza. Como tinha nascido numa família pagã, sem formação religiosa, ela abandonou a família a fim de viver sua vida na libertinagem. Por causa de sua beleza, Eudóxia teve vários noivos e pretendentes ricos. Estes chegaram a ir de outros países à procura da jovem encantadora. Por isso, Eudóxia ficou rica, acumulou fortuna.

Um toque de Deus

A casa de Eudóxia em Heliópolis era grudada à casa de um cristão. E aconteceu que, certa vez, este seu vizinho hospedou um monge já idoso, que se chamava Germano. O monge tinha o hábito de se levantar de madrugada para fazer suas orações. E ele o fazia em voz alta. Assim, de madrugada, ele começou a entoar hinos de louvor ao Senhor.  Eudóxia, então, acordou ouvindo a voz do monge através da parede. Ela achou bonito e se pôs a prestar atenção no que ouvia. Em dado momento, o monge cantou um trecho do Evangelho que falava sobre a segunda vinda de Jesus Cristo e sobre o juízo final. As palavras de Jesus Cristo cantadas pelo monge impressionaram o coração de Eudóxia e ela não conseguiu mais dormir, percebendo que o Evangelho praticamente descrevia sua vida no pecado.

Encontrando o verdadeiro amor

Quando amanheceu naquele mesmo dia, Eudóxia foi até à casa de seu vizinho e perguntou pelo homem que rezara de madrugada. Ficou conhecendo o velho e sábio Germano. Este, percebendo o espírito sedento de Eudóxia, passou vários dias orientando-a, rezando com ela e ensinando tudo sobre a fé cristã. Eudóxia sentiu que, finalmente, encontrara a verdade e o amor verdadeiro que tanto procurava, sem saber que era isso que ela procurava em sua busca incessante de prazeres.

Uma visão de São Miguel

Em seus momentos de oração junto com o monge Germano, Eudóxia teve a visão do Arcanjo São Miguel. Na visão, São Miguel dizia a ela palavras consoladoras e cheias de esperança. Esta experiência confirmou no coração de Eudóxia o desejo de se tornar uma seguidora de Jesus Cristo. Então, ela disse ao monge que queria ser batizada e mudar radicalmente o modo de viver.

Batismo

O velho Germano foi ter com o bispo da comunidade de Heliópolis, que se chamava Teodotos. Germano contou ao bispo toda a experiência de Eudóxia. O bispo, então, percebendo a graça da conversão, ministrou o batismo a Eudóxia. Depois de receber este sacramento, Eudóxia, deu a liberdade aos escravos que possuía, doou todos os bens que ela tinha acumulado aos pobres e ingressou num convento de monjas que ficava perto de Heliópolis. Ela passou todo o resto de sua vida neste convento.

Dons extraordinários

No convento, Santa Eudóxia viveu durante vários anos. Sua vida ali era inteiramente consagrada ao Senhor, no jejum, nas orações e nos atos de amor e caridade. A convicção de Santa Eudóxia era tamanha que, rapidamente ela chegou a uma maturidade espiritual notável, que transparecia nos seus atos de amor para com o próximo e nos dons extraordinários que se manifestavam através dela. Doentes iam até o convento pedir orações e saíam de lá curados pelas orações de Santa Eudóxia.

 

Perseguição do prefeito romano

A fama dos dons extraordinários e das curas operadas pela oração de Santa Eudóxia se espalharam pela cidade.  Por isso, o prefeito de Heliópolis, um pagão chamado Aureliano, enviou soldados para prendê-la, sob a acusação de bruxaria. Os soldados, porém, não conseguiram entrar no convento de maneira alguma. Santa Eudóxia afirmava que era por causa da proteção de São Miguel. Após três dias de tentativas inexplicavelmente frustradas, eles desistiram e, assustados, contaram os fatos ao prefeito. O prefeito, furioso, enviou outro grupo de soldados, desta vez, sob a liderança de seu próprio filho. Quando este grupo chegou diante do convento, porém, inexplicavelmente seus cavalos ficaram muito assustados e começaram a empinar e a refugar com violência. Nisso, o filho do prefeito caiu e morreu na hora. O prefeito, profundamente abalado, resolveu enviar um tribuno para, desta vez, pedir ajuda a Santa Eudóxia. A santa respondeu através de um bilhete pedindo autorização para se aproximar do corpo do filho do prefeito. O prefeito Aureliano, sem outra opção, permitiu e levou o filho morto até à porta do convento. Então, Santa Eudóxia saiu, rezou pelo morto e este ressuscitou, para o espanto de todos.

Conversão do perseguidor

Aureliano, ao ver milagre tão extraordinário, converteu-se imediatamente. E junto com ele, toda a sua família e os membros de seu governo. Uma das filhas de Aureliano chamada Gelásia entrou para o convento de Santa Eudóxia. O filho ressuscitado do prefeito, passou a ser atuante na comunidade cristã local. Logo ele tornou-se diácono e, alguns anos mais tarde, foi sagrado bispo de Heliópolis.

Vida religiosa

Santa Eudóxia, depois de alguns anos, foi eleita a superiora do mosteiro onde vivia. Como superiora, ela se dedicou arduamente ao auxilio dos pobres, a curar os doentes usando os dons que Deus lhe dera. Ela dedicou também à convertendo dos pagãos. Muitos eram os que se convertiam ao ouvirem seus ensinamentos sobre a fé em Jesus Cristo e vendo as curas que aconteciam por suas orações. Santa Eudóxia era uma pessoa de muita oração e jejum. Daí, dizia, é que vinha a força de seu ministério.

Martírio

Quando do governo do imperador romano chamado Trajano, santa Eudóxia foi acusada de disseminar a fé cristã e desobedecer ordens do imperador. Além disso, foi acusada novamente de bruxaria e de fraudes. Por isso, sem nem mesmo passar por um julgamento, Santa Eudóxia foi morta por decapitação. Era o dia primeiro de março do ano 114. Por causa do martírio, ou seja, dar a vida por casa da fé em Jesus Cristo, Santa Eudóxia foi canonizada pela igreja logo após sua morte. O culto a Santa Eudóxia permaneceu até hoje e sua festa foi mantida pela Igreja no dia 1 de março, de sua morte.

Veja alguns produtos de Santa Eudóxia